Presos em diferença à perfeição

As pessoas que se permitem a imperfeição são as mais normais

Presos-em-diferença-à-perfeição
Presos em diferença à perfeição

Toda forma de vida: flor, borboleta ou um homem tem tantas cores quanto se desvia da perfeição. Cada presença física é, incluindo o homem, é maior ou menor desvio de perfeitas condições. Como os planetas, nós estamos em órbitas que determinam o nosso desvio do perfeito estado. No entanto, o desvio nunca foi um problema. O único problema é a nossa aceitação deste desvio.

Nosso desvio da perfeição é tão grande que o homem, que deveria o aceitar imediatamente, definitivamente ficaria louco. Se ele visse a sua situação real e qual é o seu desvio da perfeição – quantas irregularidades, ele certamente não seria capaz de aceitar isso. Neste mesmo momento ele enlouqueceria.

Ao homem é dado todo o seu tempo – toda a sua vida para que ele aprende a aceitar seus desvios. Quanto mais ele aceita seus desvios, e aceita a sua imperfeição, mais humano ele é.

Nós nascemos imperfeitos, mas estamos aprendendo é sobre a perfeição, esse é o nosso dever. Só quando aprenderemos tudo sobre a perfeição, podemos aceitar toda a sua imperfeição. Quando seremos capazes de aceitar todo o nosso desvio natural, só então vamos realmente nos aceitar e só então nos dissolvemos de nós mesmos.

Estamos ligados pela diferença entre a imperfeição. Quanto seja sua diferença, tanto ela está ligada com você, pois você está preso nela. Você está preso na diferença porque acha que é esperto, mas não é. Porque acha que é justo, mas não é. Porque acha que é honesto, mas não é. Porque acha que é normal, mas não é…

Você se determina suas características que na verdade não têm. Quando se determina essas características que não têm, ao mesmo tempo, se determina as regras, a cultura e os princípios e toma uma determinada posição que é basicamente apenas sua gaiola – fica preso na diferença. Mas a vida está lhe dizendo: “Você ficará nesta gaiola até que não reconhecerá as suas falhas”. “Na gaiola da sua própria ou sonhada perfeição você aprenderá mais fácil e mais rápido sobre suas próprias imperfeições”.

A base do desvio humano de perfeição é o fato de que ele é mortal. Esta é a imperfeição máxima possível em comparação com a perfeição de Deus. Todo o homem que acredita em ser sabido, inteligente e correto está em contraste com o estado real. Já o simples fato de que ele é mortal, o degrada – este fato diz que ele é completamente imperfeito.

Então, você tem que aceitar a sua imperfeição e, diariamente, aceite-a tanto quanto consegue. Assim você se dissolve de si. Dissolve-se ou se desvincula daquele que, na verdade, nunca conheceu, não conhece e nunca vai conhecer. Assim você se dissolve. Porque quando você não vai mais precisar ser perfeito, vai se sentir muito melhor.

Não é difícil ser perfeito? Você tem que sempre prestar atenção ao seu comportamento, articulação e regularidade. Quando, finalmente, você concordará que não é bonito, realmente tornara-se bonito. Mas, enquanto você pensa em que você é bonito, você não é nem um pouco atraente. Assim você só cria a distância e as pessoas têm medo de você. Eles temem porque acreditam que você é bonito demais e todos têm medo de lhe sujar. Assim se cria somente uma distância que aliena e cria solidão.

O mais que o homem aceita sua renúncia, mais ele é humano. Neste sentido, Jesus Cristo foi o mais humano. Porque ele tinha aceitado completamente seu desvio da perfeição. E nenhum terrestre não chega perto dele por se sentir mais sabido, mais inteligente, mais correto. Cada um luta pelos seus princípios e seus direitos. Jesus não estava os procurando, porque ele não tinha nenhuma razão para fazer isso. Ele aceitou seu desvio no seu caminho. O mistério do filho de Deus é precisamente a plena aceitação do seu próprio desvio ou em completa devoção às regras de vida.

As pessoas têm problemas apenas quando não estão preparadas para se desviar de sua própria perfeição e integridade. Quando você diz a alguém para aceitar os seus pontos fracos, ele lhe responde que não os têm e começa a listar as suas vantagens.

Perfeição tornou-se a maior obsessão da geração de hoje. A perfeição começou a ser anunciada como o valor mais importante do ser humano e, principalmente, as mulheres foram enganadas por este mundo. Em todos os lugares falam: “Seja única, você é perfeita”. Portanto a mulher moderna diz: “Sou linda, inteligente, confiante e perfeita”. Mas no final solitária como o último galho da árvore morrente. Assim se separa da realidade da vida.

A vida é um mistério, porque suas verdades mais profundas falam da maneira mais simples para as pessoas simples. Sempre foi assim. Ao longo da história, os maiores segredos estavam se revelando e assim descobriram a vida. Porque o Senhor diz: “Só assim posso doá-las, são como modestas flores florestais e estas são minhas preferidas”.

As pessoas que se permitem a imperfeição são as mais normais e, assim, permitir-se a compreensão. As perfeitos precisam da virtualidade, precisam só de um ritual virtual. Assim como um cavalheiro medieval que era perfeito, mas literalmente preso nas masmorras mentais. Mais que um homem seja perfeito, menos sente a vida e menos a aproveita.

Na época, nas áreas rurais viviam as pessoas saudáveis e lá ainda podemos encontrar uma pessoa saudável até hoje. Essas eram as pessoas simples que levavam a cruz diária da sua imperfeição. Elas diziam: “Somos os pobres coitados, Deus nos ajude.” Então, elas pediram a Deus. E elas falaram a verdade. Todos nós somos pobres coitados perdidos no tempo e espaço e Deus nos ajude nesta jornada pela vida.