Direção errada

Sempre quando o homem fecha a porta antes do outro, está a fechà-las antes dos seus próprios problemas – antes de si mesmo

direcao-errada
direcao-errada

O homem é a única criatura que pode limitar a si mesmo e mais melhor limita a si mesmo. Igualmente está com convicção – um homem condena a si mesmo e julga apenas a si mesmo.

Todas as manifestações são limitadas. O mais limitadas, a maior força de atração entre estes, porque cada um deles toma o lugar do outro. Estas forças são as forças do magnetismo, para o qual a incidência, em geral, pode existir e agir igualmente nas plantas, nos animais e no homem e na natureza inanimada, porque caso contrário não é possível.

O homem difere dos outros seres úmanos apenas pela sua própria livre vontade para tomar o lugar das sua força física ou mental – mas o homem é o mais limitado quando ocupa todos os lugares ao seu redor. Em sua liberdade chegou às fronteiras da sua própria limitação final, e neste às limitações infinitas.

O homem tem total liberdade, e ainda nenhum ser úmano neste mundo não é tanto perseguido.

A face da liberdade é apenas o própri rosto da escravidão.

Somente aquele que deixa a própria função, é liberado das próprias fronteiras. Quantas funções deixasse, tantas lugares da vida está a liberar e a verdade que nele permite abre um mundo sem fronteiras.

O homem pode restringir e violar um outro homem, mas ninguém pode violar a verdade.

Só a humildade nos ensina à gratidão, a que nos leva às viagens de pesquisas e nós mantém de ocupação arbitrária do lugar, porque não tens direito a nada disso. És um homem – um ser que sabe que para tudo apenas pode dar o lugar e quanto mais lugares dás, mais amor nasce em ti.

Ninguém e nada não tem mais o seu lugar, porque ninguém e nada não tinha dado o seu lugar para poder pesar o seu. Estes todos são apenas as manifestações que caçam o equilíbrio das contradiçõs mútuas, enquanto tudo gira na direção errada … e girasse para novo e de novo e de uma contradição para outra – um outro apenas restritasse.

Apenas Jesus teve o coração suficiente para transformar a direção em si mesmo e concordar com o seu pleno númeno e, portanto, abertar o espaço de cobertura para tudo. Na mão direita de Deus – em lugar de númeno completa e infinita sobreviviam as mãos dele, bem abertos na tua – na minha aparência …

Sempre tiveram e terão infinitivamente as direções, porque cada pessoa tem o próprio coração e nele um lugar de cobertura da Vida,

e por Meio dele, cada direção permanece clarae em todos, fora dos campos de manifestação que estão a destacar-se, são as mesmas.