Entidade com vista móvel

Confie na vida, não em si mesmo, porque és cego

Entidade-com-vista-móvel
Entidade com vista móvel

Natureza inanimada é capturada no olho de vista de outra pessoa, porque esta não tem de vista nenhum. A flora está a viver as respostas de vistas de outras pessoas, os animais têm as suas próprias vistas, mas eles são capturados na concentricidade ou imobilidade da própria vista. O homem é a única criatura coroada com um dado, da vista móvel ou isocentro.

O homem tem abertas duas vistas: a vista para o exterior, com que está a condicionar a realidade e a vista para o interior, com qual está a especular com outros seres humanos de própria realidade.

O homem que está a olhar para fora, pode condicionar- independentemente das suas características – o lugar para todas as criaturas. Porque cada olhar para exterior doa os olhos ao que se dedicasse. Ao homem não foi dado apenas o olhar para o exterior, mas também o olhar para os olhos de outro homem – em seu mundo interior que uma vez poderia ver com os olhos do outro.

Com a vista oposta, ou uma vista para o interior, no entanto, o homem está a reduzir a realidade ao ponto do seu próprio centro. Quando isso acontece, o próprio homem abolida vista do homem ou do poder da vista real e por isso os seus olhos se tornam os olhos de anti-homem – os olhos da escuridão de toda a criação. Os olhos do anti-homem são os olhos do mal, embora nos termo final não têm poder sobre tudo e todos, exceto sobre o seu próprio mal.

Um homem deve amadurecer principalmente na confiança na realidade e não caçar a todo o custo a sua própria veracidade. Tem confiança na vida e não em si mesmo, porque você é cego. Quanto mais acreditas em teu espelho, mais ficas na escuridão.

Não tenhas medo de seguir os olhos do Homem, que te foram dadas, porque com eles serves a vista à toda a Criação. Porque a tua vista decide de tudo e irá determinar cada um, na ocorrência de uma realidade da vista reversa.

“Este é o meu corpo que será entregue por vós”, para os olhos do Homem – os olhos da vista real do outro lado.